-
Blog leia todos os artigos publicados pelos nossos psicólogos

Dormir com os pais: o que tem demais?

Assuntos: Criança e Adolescente | Autor: ANA PAULA L. MÊDA | | Postado em 15.01.2016

Dormir com os pais o que tem demaisMuitas são as dúvidas dos pais quando o assunto é a hora de dormir. Ao fazer uma busca sobre esse tema no Google, podemos encontrar muitas dicas e palpites do que deve ou não ser feito e diferentes teorias a respeito da hora do sono. Mas será que existe uma forma certa?

Então, comecemos do começo:

Quando um bebê nasce, ele PRECISA de seu cuidado e atenção quase que exclusivos. Cada família vivenciará isso de uma forma, mas nesses primeiros meses de vida é muito importante para a tranquilidade dos pais e do próprio bebê, que ele esteja por perto. Nesse momento inicial, os pais costumam preferir deixar o bebê no quarto deles.

Porém, esse bebê vai crescendo e se constituindo também como indivíduo, ao mesmo tempo em que a mãe/cuidadora vai retomando sua rotina e começa a limitar a sua disponibilidade para o bebê. Ou seja, ele vai deixando de precisar da atenção exclusiva da mãe e ela já não está mais tão disponível para lhe dar essa atenção integral.

É esse processo que vai, gradativamente, auxiliando a criança na construção de sua autonomia. Porém, o processo é longo e abarca as diferentes esferas da vida da criança. Uma delas é a possibilidade de dormir sozinha!

Mas será que existe uma forma certa para lidar com esse tema? Experimente tirar um tempo para fazer uma avaliação: o que tem de bom em meu filho dormir no meu quarto e o que tem de ruim? Fazer uma lista, por escrito, de prós e contras pode ajudar a tornar isso mais claro e palpável.

Aqui nos atemos a alguns fatores que costumam constar nessas listas:

  1. Compensar o tempo que não passo com ele durante o dia

Se você trabalha e não tem muito tempo durante o dia, provavelmente irá compensar isso durante a acheter viagra france forum noite. Porém, você já parou pra pensar que nesse momento vocês estão dormindo? Não há atividade, não há troca (apesar do contato físico, que muitas vezes se perde no meio da noite), então o que está sendo compensado?

Procure aproveitar o tempo que vocês têm acordados! Acorde mais cedo, se for o caso, para assistir a um desenho; se possível, leve-o para a creche/escola; procure organizar as tarefas de casa de forma a ter mais tempo com seu filho quando chegar do trabalho; ou se condicione a deixar o trabalho no trabalho e experimente estar presente nos momentos que têm juntos; ou ainda, se disponha a acompanhá-lo até o quarto, coloque-o na cama e conte (ou crie com ele) uma história.

Essas atitudes geram maior proximidade, intimidade e satisfação do que apenas dormir no mesmo quarto ou na mesma cama!

  1. Evitar conflito

O cansaço nos faz pensar infinitas vezes antes de estipular um limite. Até porque, você sabe que o gasto de energia é enorme e talvez tenha a sua noite de sono interrompida mais de uma vez. Mas é importante não desistir! Cada vez que você cede,seu filho entende que pode insistir mais um pouquinho que irá conseguir.

O processo pode e deve ser gradativo, e é sempre muito importante que haja sinceridade. Por exemplo, se você fica com ele no quarto até que pegue no sono, deixe isso claro “ficarei com você até que você durma, depois vou para o meu quarto”. Pode causar bastante ansiedade acordar e não te ver ao lado sem que tenha tido essa explicação.

  1. Menos tempo com o parceiro (a)

Em alguns casos, quando o relacionamento não vai bem, os pais acabam aproveitando o fato de a criança dormir em seu quarto para não precisar encarar o problema. Essa é uma questão importante de ser analisada, pois as consequências disso para seu filho não são positivas e é sua responsabilidade cuidar da saúde emocional do pequeno.

Porém, na maioria dos casos, o relacionamento acaba sendo afetado pela constante presença da criança “entre” o casal. Se você só está percebendo isso agora, ok! Nunca é tarde para buscar fazer diferente. Dará trabalho, mas a harmonia entre os pais/cuidadores, também contribui para o bem estar do seu filho.

Tenha sempre em mente que cada família é um sistema único, formado por indivíduos singulares com valores e crenças que influenciam, inevitavelmente, os hábitos das crianças. Portanto, não há uma forma certa de lidar com o tema. O que existe são alguns consensos e estudos a respeito das consequências do prolongamento do tempo em que a criança dorme no quarto dos pais.

Uma das maiores dificuldades dos pais é educar os filhos para a vida e não para si! Compreender que o principal objetivo da educação é que a criança possa construir sua autonomia é um grande desafio.Não perca de vista que “dormir no próprio quarto” faz parte dessa construção de independência. E seu filho precisa sentir que você acredita que ele dá conta dessa tarefa para que possa acreditar também!

A crença de que você precisa se doar demais também pode representar outro problema: viver para ser mãe/pai é colocar a criança como a razão de sua existência e torna-se difícil “liberá-la” para ser independente. Por isso, estar atento ao sentido da sua própria vida e se questionar “quem sou eu além de mãe/pai?” também faz toda a diferença para a sua saúde emocional e para a do seu filho.

Portanto, tente não se deixar levar pelas afirmações imperativas presentes nas dicas de como fazer para seu filho dormir sozinho. Lembre-se que ninguém o conhece melhor que você e é possível que vocês construam uma forma que faça sentido para vocês.

psicologo de criança, psicologo barra da tijuca e tijuca.Ana Paula L. Mêda  é psicóloga clínica e realiza atendimentos a crianças, adolescentes e adultos na Tijuca ( Praça Saens Pena )  Barra da Tijuca (Parque das Rosas) e Copacabana, na cidade do Rio de Janeiro-RJ. Clique aqui e conheça mais sobre seu trabalho!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planilhas para você + saiba mais
Sublocação de Sala + saiba mais
Cursos e Grupo de Estudos + saiba mais
Todos os direitos reservados © 2013 Senhora Terapia Design por xCake