-
Blog leia todos os artigos publicados pelos nossos psicólogos

Uma dose de responsabilidade!

Assuntos: Autoconhecimento | Autor: Luciana Zimmerer | | Postado em 24.10.2013

No final da faculdade comecei a perceber o privilegio e responsabilidade da minha profissão.  Esse sentimento nasceu ao longo de um estágio num hospital psiquiátrico.  Digo isso porque mesmo sabendo que trabalhar como psicóloga num hospital psiquiátrico não tinha absolutamente nada a haver com o meu desejo profissional; foi naquele período que percebi o tamanho da responsabilidade que teria dali  para frente,  ao me deparar  com há de mais intimo, louco, inesperado e admirável no comportamento, no pensamento, e na historia de  vida de uma pessoa.

Responsabilidade, terapia

Apesar da falta de “afinidade” com aquele trabalho ( pois assim eu o encarava),  aproveitei aquela oportunidade para me dedicar  a minha profissão e  dei melhor que pude na troca com os pacientes e toda equipe com quem trabalhava.

Não sabia exatamente o porquê, mas sentia que precisava levar aquela experiência  mais a serio possível,  pois percebia que apesar incomodo com o trabalho, algo ia se transformando dentro de mim.

E é exatamente sobre responsabilidade que gostaria de escrever. O espaço terapêutico se apresenta de maneira (aparentemente) diferente para cada pessoa que busca  terapia. Alguns buscam força para afirmar o que já sabem, outros desejam clarear ou conhecer melhor suas reações diante da vida e de suas escolhas, e alguns estão tão perdidos  e sofrendo que não sabem exatamente  o que precisam, mas sentem dentro de si uma forte necessidade de mudança. Há também quem busque uma solução ( as vezes mágica) para se livrar dos sentimentos e comportamento que trazem angustia.

O terreno comum:

Apesar da diferença na forma como as pessoas chegam ao consultório e relatam seus objetivos ali,  percebo que todas buscam algo em comum no sentido  de um crescimento. Todos buscam uma mudança.

Tenho uma tendência apostar que o crescimento está diretamente ligado a “senso” de responsabilidade.  E quando uma pessoa evita essa ideia ela acaba vivendo uma série de problemas como consequência disso. Acaba se tornando vítima do mundo e de suas próprias escolhas.  Quanto mais tempo uma pessoa leva para enxergar “qual é sua parte” nas dificuldades que vive, mais tempo ela demora para mudar.

Mas esse não é um olhar que possa simplesmente ser jogado em cima das pessoas, como se fosse uma equação matemática. Sei também que a dificuldade em se responsabilizar pelas escolhas (ou pelas não escolhas) não é a única origem das dificuldades/sofrimento de uma pessoa  e  o quanto devemos estar disponíveis para conhecer as experiências individuais de cada  um antes de adotar essa ideia.  Mas esse ponto daria e merece outro texto.

Adoraria dizer  que o processo de responsabilidade/crescimento seria algo bem simples de experimentar. Mas não é!  É  uma caminhada cheia de curvas, subidas, descidas,  obstáculos, desvios. Cansa, machuca, dá vontade de desistir porque as vezes você não vê é o fim da linha e não tem certeza de onde vai chegar.

Costumo dizer que o autoconhecimento faz com que as coisas fiquem mais claras para as pessoas, Elas conhecem mais a seu próprio respeito e naturalmente se sentem mais fortes e conseguem ter uma postura mais  responsável  na troca com o mundo.  E quando uma pessoa chega a esse nível de relação com a vida, crescer e mudar passa a ser simplesmente uma questão de escolha.

Compartilhe:
Planilhas para você + saiba mais
Sublocação de Sala + saiba mais
Cursos e Grupo de Estudos + saiba mais
Todos os direitos reservados © 2013 Senhora Terapia Design por xCake